diz quem sabe

O embaixador João Hall Themido escreveu as suas memórias, sobre meio século da diplomacia portuguesa.

 jhthemido

Uma autobiografia disfarçada, assim se chama o livro de memórias do embaixador João Hall Themido, agora editado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros. Um dos diplomatas portugueses com maior currículo, esteve dez anos em Washington (1971-81), período em que trabalhou com 12 ministros dos Estrangeiros. Foi mesmo dos raríssimos embaixadores que o 25 de Abril manteve no mesmo posto. Funcionário do MNE desde 1947, foi ainda director-geral dos Negócios Políticos, secretário-geral, e embaixador em Roma e Londres, onde terminou a carreira, em 1989.

asm

"Um mito criado por judeus"

Um dos capítulos do livro, porventura o mais polémico, chama-se "A mitificação de Aristides de Sousa Mendes". O embaixador acusa o cônsul de "actuação irregular". "De forma totalmente irrealista, fala-se em 30 mil" o número de vistos "concedidos em apenas alguns poucos dias pelo cônsul e seus familiares, de forma cega, no consulado e até nos cafés da vizinhança". Themido sublinha "a necessidade de manter disciplina nos serviços que de forma directa ou indirecta pudessem, com a sua actuação, afectar o estatuto de neutralidade" do país. Para o embaixador, Aristides foi um "mito criado por judeus e pelas forças democráticas saídas do 25 de Abril". E mais à frente: "quando a família" do cônsul, "grupos judaicos e forças da esquerda ressuscitaram o assunto, procurei saber mais sobre o ocorrido". Observa que Aristides apenas "pertencia à carreira consular, considerada carreira menor em relação à carreira diplomática". Por outro lado, o processo disciplinar ao cônsul em Bordéus "foi o último de vários de que foi alvo ao longo da carreira, quase sempre por abandono do posto ou concussão". Nota que a maioria dos processos "desapareceu misteriosamente" do MNE e que o de Bordéus está "incompleto". Assim, considera "incompreensível criticar" o Ministério, "incluindo o ministro, por ter aplicado a lei nas circunstâncias da época".

via: expresso

Anúncios

Um pensamento sobre “diz quem sabe

  1. alguem no palacio das necessidades ,nome curioso , quis gastar o meu dinheiro de contribuinte a editar um livro que defende o lambe botismo , ele salvou aquela gente da morte ? isso não interessa ,o que importa é que ele desobedeceu a ordens. vão dar banho ao cão…

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s